Ao Pai-Xamã

Para Roberto Piva

Tu, que fizestes de nós netos dos beats
Agora decides chocalhoar esferas distantes
Tu, nobre pai-xamã das letras
Logo tu que, em brasa, com tua alma maldita
Com tua dita alma, ditastes palavras ao vento
Sementes, d’onde brotaram pequenos xamãs

Agora o verbo se fez pó
Que usaremos para ressuscitá-lo

Amanhã e sempre

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s